Aos Leitores do blog

Sejam Bem-vindos!!! Este é um espaço dedicado a arte e aos seus (futuros) admiradores. Ele é uma tentativa de despertar em seus visitantes o gosto pelo assunto. Aqui, poderão ser encontradas indicações de sites, livros e filmes de Artes Visuais, imagens de artistas, alem do meu processo de trabalho. É o meu cantinho da expressão. Espero que sua estadia seja bastante agradável e proveitosa.
Este Blog é feito para voces e por voces pois muitas das postagens aqui presentes foram reproduzidas da internet. Alguma das vezes posso fazer comentarios que de maneira parecem ofensivos porem nao é minha intençao, sendo assim, me desculpem. Se sua postagem foi parar aqui é porque ela interessa a mim e ao blog e tento focar os pontos mais interessantes. A participaçao dos autores e dos leitores é muito importante para mim nestes casos para nao desmerecer o texto nem acabar distorcendo o assunto

terça-feira, 28 de julho de 2015

MUSEUS: sem educação não há acesso

 Embora muitos não percebam, mas museu é um lugar de aprendizado sim; mesmo os não científicos no qual o visitante apenas observa as obras. Ele é uma chance da pessoa aprender sem pensar nos métodos escolares, aprender gostando do que vê, fazendo relações ampliando conhecimentos mesmo que sejam estéticos...
 No texto abaixo profissionais discutem e refletem sobre a importância dos atuantes em museus investirem na educação não formal... 

Museus: sem educação não há acesso

Enviado por maio 22, 2015 

(...) Na semana passada, um encontro em São Paulo (SP) reuniu profissionais de museus e galerias para debater o resultado da pesquisa Cultura em SP – Hábitos Culturais dos Paulistas, idealizada pela J.Leiva Cultura & Esporte e realizada pelo Datafolha. A partir dos dados apresentados, foram levantadas algumas questões referentes à atuação desses espaços culturais, entre elas: a relação entre formação/educação e hábitos culturais; a relação renda x escolaridade no acesso (a escolaridade é mais relevante do que a renda, segundo mostra a pesquisa); o problema da acessibilidade e da mobilidade (especialmente nas grandes cidades); a redução do acesso conforme aumenta a faixa etária; e a importância do trabalho dos educativos e da mediação cultural.

“Conseguimos demarcar as décadas 1980/90, aqui no Brasil, como o início de práticas de educação em museus que procuram pensar sobre as direções dadas às suas ações. Ou seja, os programas educativos começam a se perguntar sobre a quem interessam as mediações levadas a cabo nessas instituições. Faz-se mediação para a manutenção das instituições? Faz-se mediação para o público visitante? Para quem?”, explica Rejane Coutinho, professora do Instituto de Artes da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp).

Esses programas chegam ao século XXI com uma grande questão a resolver: trabalha-se pela reprodução do sistema, por sua manutenção, ou atualiza-se o debate e pensa-se nos cidadãos como usuários críticos e ativos diante de seus patrimônios e suas culturas?

A professora explica que a direção da manutenção vê usuários passivos, apenas receptores dos discursos que continuam a legitimar o poder. Já a visão crítica entende que o papel das instituições é contribuir com a emancipação dos sujeitos, atualizando o conceito de cultura, entendendo que as culturas são espaços de produção de sentidos para aqueles que os produzem e os consomem, e entendendo também que as pessoas fazem parte de comunidades de aprendizagem, comunidades de interpretações de mundos. “Algumas instituições estão preocupadas e pensando sobre estes problemas, mas poucas estão realmente investindo em propostas que levem à emancipação do público”, afirma.

Kátia de Marco, coordenadora acadêmica do MBA em Gestão de Museus da Universidade Cândido Mendes, parceria com a Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC), lembra que, salvo exceções, só os museus mais profissionalizados em sua gestão e programação, localizados nos centros urbanos, possuem programas educativos estratégicos e continuados, apresentando resultados inclusivos e de formação do olhar. Ela acredita, porém, que a implementação das atuais políticas para os museus brasileiros, colocadas em ações de órgãos públicos como o Ibram (Instituto Brasileiro de Museus) e de algumas Secretarias de Cultura na última década, têm incentivado a orientação e condução para o desenvolvimento da mediação socioeducativa desses espaços.
“Aprimorar a gestão da sustentabilidade, a qualidade programática, a acessibilidade universal, as ações educativas e de entretenimento é fundamental na motivação das frequências, mas se não houver uma política de ação conjunta entre as diversas instituições da sociedade, no estímulo para a criação do hábito de se visitar museus, pouco se conseguirá além de ampliar o 
público que já pertence ao perfil estabelecido de usuários”, diz Kátia.

Os museus brasileiros não têm trabalhado bem seus setores educativos, segundo Edna Onodera, coordenadora executiva do Arteducação Produções, que desenvolve programas de mediação. Isso acontece, segundo ela, porque esses espaços consideram e entendem o educativo como um papagaio. “É exótico, vive bastante, vive repetindo frases, e quando cansa ou fica caro manter, dispensamos. Trata-se o educativo como acessório, não como parte importante e essencial.”

Rejane completa que a profissionalização dos educadores de museus tem sido difícil. Geralmente contrata-se empresas para trabalhos temporários, enquanto duram as exposições e enquanto há capital investido. “Bons educadores acabam desistindo desse trabalho. Os poucos heróis que conseguem abrir suas empresas lutam para conseguir projetos, aceitando todo tipo de condição imposta pelas instituições. As empresas acabam recrutando estagiários, jovens com pouca formação ou em formação que, em geral, não são orientados e acompanhados durante os trabalhos”, afirma.

Mediação - Daina Leyton, coordenadora da área de Educativo e Acessibilidade do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), conta que lá se pensa um tema norteador que permeia o roteiro de cada visita, de acordo com a faixa etária e os conhecimentos prévios do grupo, buscando promover diálogos que articulam os eixos curatoriais, os conceitos da arte e os acontecimentos do mundo. “Considerando que a arte contemporânea diz respeito a diversas instâncias da vida, a realidade e o cotidiano de cada participante são extremamente significativos para o processo de mediação”, diz.

Para ela, o aspecto inovador nas relações sociais que podem ser estabelecidas entre um museu ou espaço cultural e a comunidade é a elaboração de estratégias de mediação que permitam romper a distância espectador-obra, espectador-artista, espectador-museu ou espaço cultural, desmistificando papéis e criando um tipo de vínculo a partir do qual ocorre a apropriação dos conhecimentos gerados na relação com a arte. “É um processo que exige uma comunicação e um trabalho contínuo. Precisamos sempre estabelecer um diálogo efetivo com os frequentadores.”

Segundo Edna, os educativos dos museus têm desenvolvido materiais diversos – como jogos, imagens impressas, leituras poéticas – como forma de apoio para os contextos e as estratégias de entender a arte, a história, as relações e os sentidos para enriquecer a experiência da visita. Agora, talvez seja necessário pensar junto, voltar a provocar a acessibilidade física e experiencial, na formação das equipes da manutenção, segurança, limpeza, expografia, curadoria. “Não há áreas para sentar, descansar, pausar. Não se pode olhar sentado. Então, pensar ações educativas não parte de um setor, mas da gestão como um todo”, defende.

Ela ainda indica que uma das falhas neste sistema pode ser não reservar espaço para diálogo e participação. “Simples, não? Parte fundamental para transformar é comunicação. Entender intenções, ações, planejamento, orçamentos, participar das decisões”, indica. Nesse sentido, uma estratégia que vem se afirmando eficaz em termos de renovação e captação de novos públicos, conta Kátia de Marco, é o engajamento interativo da instituição em causas ou temas de interesse das comunidades, com abertura para a participação ativa delas na formulação dos conteúdos oferecidos na programação.

“Penso que um dos grandes desafios para ampliar as audiências dos museus e de centros culturais de uma maneira geral seja trabalhar a questão com enfoque prioritário e integrado à diversas instâncias da sociedade – escolas/universidades, veículos de comunicação, empresas, ONGs, órgãos governamentais e a própria família -, os chamados ‘não-públicos’, ou seja, os segmentos populacionais que não frequentam esses espaços”, afirma Kátia.

Isso inclui pensar em mobilidade. “É vital que haja a cooperação integrada com os setores públicos e privados de transporte e de segurança pública urbana, mediante parcerias efetivas e permanentes. A integração de ingressos x bilhetes de passagens x ticket refeição é fundamental para estimular a visitação de camadas mais extensas da população, principalmente das famílias, que muitas vezes se sentem impedidas de visitarem os museus pelo alto custo do acesso.”

Para Rejane, as instituições têm se preocupado com o acesso, porém a questão é complexa e, para afirmar em quais direções as ações estão apontando, precisamos de mais pesquisas. “A grosso modo, temos mais público visitando exposições, mas precisamos nos perguntar o que tem levado esse público a elas”, afirma. Ela acredita que a mídia tem tido um papel talvez mais relevante do que os programas educativos. “Outro dia, visitando a Pinacoteca num domingo, parei para conversar com uma senhora que trabalha como segurança das salas e ela disse que estava sentindo falta da multidão que afluiu a exposição anterior, de Ron Muek, pois aquela exposição que lá estava dava sono a ela, não tinha público.”

Será que o grande público que foi à exposição de Ron Muek volta para visitar o acervo da Pinacoteca, ou para buscar espontaneamente outra exposição? A professora tem dúvidas. “Educação é fundamental para estimular o desejo por arte. Gostar ou não desta ou daquela produção depende de entendimento, de instrumental para situar e para contextualizar as produções, para aproximar da vida. O que quero dizer é que a mediação da arte, da cultura, é imprescindível para a formação de público”, completa.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...