Aos Leitores do blog

Sejam Bem-vindos!!! Este é um espaço dedicado a arte e aos seus (futuros) admiradores. Ele é uma tentativa de despertar em seus visitantes o gosto pelo assunto. Aqui, poderão ser encontradas indicações de sites, livros e filmes de Artes Visuais, imagens de artistas, alem do meu processo de trabalho. É o meu cantinho da expressão. Espero que sua estadia seja bastante agradável e proveitosa.
Este Blog é feito para voces e por voces pois muitas das postagens aqui presentes foram reproduzidas da internet. Alguma das vezes posso fazer comentarios que de maneira parecem ofensivos porem nao é minha intençao, sendo assim, me desculpem. Se sua postagem foi parar aqui é porque ela interessa a mim e ao blog e tento focar os pontos mais interessantes. A participaçao dos autores e dos leitores é muito importante para mim nestes casos para nao desmerecer o texto nem acabar distorcendo o assunto

terça-feira, 23 de abril de 2013

POR QUE NAO SE PRESERVA NOSSA HISTORIA?

   O texto de hoje tem a cidade de Fortaleza como foco de atenção porem na pratica o sentido pode ser aplicado a muitas cidades brasileira e é exatamente por isso que esta sendo postado aqui.

Fortaleza (CE) – Por que não se preserva a nossa História?

Para autoridades e especialistas, falta uma cultura de preservação por parte da população de Fortaleza. Futuro da Capital será debatido hoje no Fórum Adolfo Herbster.

Na Jacarecanga (e), casarões antigos, como a Escola de Artes e Ofícios (c), convivem com novas construções. No Centro, o Sobrado Doutor 
José Lourenço (d) é exemplo de preservação. Foto: Edimar Soares

Apreservação do patrimônio histórico de Fortaleza está na pauta do desenvolvimento da Cidade. Casos recentes de demolição de prédios antigos – como o bangalô azul, a Chácara Flora e a antiga sede do Hospital Mira y Lopez – levam a Capital a refletir sobre o modelo de desenvolvimento urbano que está sendo adotado.

Para especialistas ouvidos pelo O POVO, o problema é a falta um espírito de preservação da História no fortalezense. “Precisamos disso urgentemente”, alerta o professor do curso de Arquitetura da Universidade Federal do Ceará (UFC) e articulista do O POVO, Romeu Duarte.

O coordenador de Patrimônio Histórico e Cultural da Secretaria da Cultura de Fortaleza (Secultfor), Alênio Carlos Noronha Alencar, considera que a falta de uma disciplina sobre patrimônio histórico no currículo escolar é uma das raízes que explicam o desprezo de boa parte da população pelos prédios antigos.

A situação também é vivida por cidades consideradas modelos de preservação da História. “Em Recife, a população, de um modo geral, associa o seu patrimônio histórico à coisa velha, ultrapassada, que atrapalha o desenvolvimento da cidade. Isso, em parte, vem de uma formação modernista, onde o passado precisa ir embora. Se possível, sem deixar memória, para que o progresso chegue”, comenta o arquiteto e urbanista Zeca Brandão, coordenador do Núcleo Técnico de Operações Urbanas (NTOU) do Governo de Pernambuco. (...)
  
Cidade e patrimônio
Outro problema é a falta de sensibilidade da iniciativa privada, que, de maneira geral, não leva em conta a preservação em novos projetos. Também é necessário garantir o uso dos equipamentos, sob o risco de eles continuarem desprotegidos mesmo quando tombados. “Os órgãos de preservação não ajudam ao assumir uma postura ‘xiita’ na defesa desse patrimônio. A cidade é um patrimônio em permanente construção e precisa apresentar um certo grau de flexibilidade para se adequar às transformações”, defende o arquiteto e urbanista Zeca Brandão.

Entenda a notíciaAdolfo Herbster é o arquiteto responsável pela confecção da primeira planta detalhada de Fortaleza, em 1859. Outro material produzido por ele, em 1875, serviu de base.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...