Aos Leitores do blog

Sejam Bem-vindos!!! Este é um espaço dedicado a arte e aos seus (futuros) admiradores. Ele é uma tentativa de despertar em seus visitantes o gosto pelo assunto. Aqui, poderão ser encontradas indicações de sites, livros e filmes de Artes Visuais, imagens de artistas, alem do meu processo de trabalho. É o meu cantinho da expressão. Espero que sua estadia seja bastante agradável e proveitosa.
Este Blog é feito para voces e por voces pois muitas das postagens aqui presentes foram reproduzidas da internet. Alguma das vezes posso fazer comentarios que de maneira parecem ofensivos porem nao é minha intençao, sendo assim, me desculpem. Se sua postagem foi parar aqui é porque ela interessa a mim e ao blog e tento focar os pontos mais interessantes. A participaçao dos autores e dos leitores é muito importante para mim nestes casos para nao desmerecer o texto nem acabar distorcendo o assunto

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

QUANTO TEMPO DURA A MUSICA QUE VOCE OUVE?

  A postagem de hoje é sobre musica mas pode ser aplicada a qualquer atividade cultural que chega na midia. Fala da diferença de tempo que tem um evento, pois se ele é bom e te toca de alguma forma, ele continua te povocando e trazendo boas sensações caso contrario fica vazio... Enfim, so lendo o texto para entender o que ele esta dizendo

Quanto tempo dura a música que você ouve?

    É interessante notar que dentro do ambiente cultural no Brasil as mudanças que ocorrem vêm sendo extremamente rápidas, passageiras, demonstrando um consumo imediato, de apelo popular e onde não se valoriza o artista em si, mas, sim, aquilo que ele tem a contribuir para aquele único momento. A situação, hoje, define a arte. A criatividade ficou em segundo plano.
beegees    Começo minha primeira crônica pela lembrança de uma postagem, feita por um amigo, da qual continha o link que me permitia acesso, pelo Youtube, a um show do grupo Bee Gees, da década de 90. Era um show de quase duas horas, gravado na Austrália, em que os três integrantes da banda, dois deles já falecidos, infelizmente, tocavam todos seus principais sucessos de   uma carreira que começou na década de 60 e se estendeu até o presente, nas lembranças daqueles que apreciam a boa música. Pensei, também, como deveria ter sido difícil para o grupo ter iniciado sua longa trajetória.
    Um computador, hoje, faz mais que um estúdio inteiro daquela época. Tudo era feito na unha, como se diz por aí, no jargão musical, na raça e não existia essa evolução digital dos últimos anos, ou seja, daquelas salas de gravação saíram canções tão melhores e tão maravilhosas quanto as que temos atualmente.
    Nasci em uma época posterior a essa que comentei, portanto vivi muito do que os anos 70 e 80 ofereceram e nem de longe, em 2013, temos a mesma qualidade musical daqueles tempos. Escrevo isso baseado nas letras e nas melodias compostas nesse período. Ao fazer uma análise dos arranjos musicais, daqueles anos, percebe-se que as composições foram elaboradas de forma a contemplar o cantor, a banda, a forma como cada vocalista usava seu  timbre de voz já que, geralmente, os artistas eram compositores natos ou de formação. Hoje, temos o especialista em ajustar a voz com softwares como o Auto-Tune e outros, só para citar como o mercado funciona mesmo para quem não sabe cantar ou tocar.
    Comentei com esse amigo, que é desenhista, ilustrador, empresário nesse ramo e que havia enviado o link do vídeo, que a maior fonte de criatividade do ser humano é ver outra fonte jorrando criatividade. Como não se deliciar ao som daquela banda e ao mesmo tempo não sentir a emoção à flor da pele para poder criar algo novo, no mesmo sentido? A inspiração, dentro do ambiente cultural, é necessária dentro de todo esse processo. Se você ouve, sente ou vê coisas belas, a tendência é que a sua criação, também, tenha a mesma expressão daquilo que você sentiu. Então, comecei a imaginar qual seria a fonte de inspiração desse pessoal que faz música nos dias de hoje?      
   Fui criado ouvindo pop rock ou qualquer rótulo que se queira dar às músicas que tocavam nas rádios na década de 80. De Dire Straits, U2, The Police, Pink Floyd, Supertramp, todo o pessoal da Motown, como Lionel Richie, Dionne Warwick, Gladys Knight, ao pop do A-ha, Madonna, Duran Duran ou Michael Jackson, entre muitos, todos eles permaneceram – e ainda estão – em nossas cabeças, como boas recordações do passado que vivemos.
   Mas a pergunta é: quanto tempo dura a música que você ouve? Essa resposta depende…
     As músicas que eu ouço não duram três, quatro minutos, como de costume. Geralmente, elas duram, pra mim, uma eternidade, pois levo em conta não somente o tempo corrido, cronológico delas, em minutos, mas, também, toda uma história que cada canção carrega sobre determinada época que vivi. Muito mais que o tempo que corre na barra de execução de um player, pelo computador, por exemplo, ou da agulha riscando o microscópico sulco dos discos, elas possuem a história da minha vida. Creio que seja assim que ocorre com outras pessoas.
   Mas e hoje? Quanto tempo dura a música que você escuta?
   O sucesso parece durar o tanto de tempo que o público quer. Ou seja, não é mais a música que decide se veio para ficar, é o público quem decide o quanto ela deve durar. O sucesso é passageiro assim como a música que o acompanha. A música, a meu ver, não apresenta mais relação de emoção, sentimento, com a vida das pessoas, como antes. Raríssimas exceções, um hit e o artista que o produz ou interpreta sobrevive se não cair no gosto das massas. Não que as massas, o grande público nunca tenha sido importante.   
     Claro que sim, pois é dele que o artista vive ou sobrevive, mas esse público deixou de ser exigente na qualidade e caminhou apenas para os rótulos musicais. É um gosto tão variado e sedento por novidades que dificilmente alguém consegue ficar mais que um ano com a mesma música – geralmente ela é usada até o próximo carnaval. Você não ouve, somente escuta. Há uma profunda diferença nisso, embora pareçam sinônimos.
    Acho que falta um olhar mais apurado no passado. Olhar a tradição é olhar o antigo. Muitas vezes, essa palavra vem como sinônimo de velho, mas não é.   Antigo é o que tem uma existência no tempo e ainda possui vitalidade. Nesse sentido, as músicas antigas são excelentes referências, pois muitas delas nunca perderam essa capacidade de continuar a emocionar pessoas. Há canções que atravessam gerações e são ouvidas pelos mais novos que sentem a mesma emoção de quando ela foi apresentada pela primeira vez. Se essas canções não tivessem essa vitalidade, não conseguiriam ser atemporais.
   Infelizmente o que presenciamos são bandas e artistas jogados no cenário musical com o intuito de fazer dinheiro, o mais rápido possível, com alguma característica física ou comportamental que ira influenciar o público, de maneira geral. A música passou a ser artigo secundário nesse mundo de “Anittas” e “Naldos”. O que importa é a participação deles no mercado publicitário para atrair consumidores. São fabricados, criados para esse fim. Explorados ao máximo, até a exaustão do hit comercial. Por isso é que a música fica chata, insípida, desinteressante a partir de um momento. Esse é o cenário musical em que vivemos hoje. De resto, eu fico com a minha playlist com músicas dos anos 60, 70 e 80.
   Quem estava certo era Humberto Gessinger, líder da banda Engenheiros do Hawaii, que cantava, nos anos 80, que “a juventude é uma banda numa propaganda de refrigerantes”.


Sérgio Rizick Buchalla é admnistrador de empresas, estudante de direito, webdesigner nas horas vagas e curte músicas dos anos 80. Contatos pelo Facebook

fonte: http://www.popmidia.com.br/talentos/quanto-tempo-dura-a-musica-que-voce-ouve/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...